Fundos Imobiliários: as melhores dicas sobre FIIs

O Brasil tem acompanhado o exemplo de vários países desenvolvidos pelo mundo: estamos nos tornando um país de investidores. São pessoas que pensam a longo prazo, em retornos e garantias futuras.

No universo dos investimentos, há uma rede gigantesca de formas de investimento. Fundos Imobiliários são mais uma delas e são um investimento simples e, por isso, pode ser efetuado com pouco ou muito dinheiro.

Alguma vez você já pensou em comprar um imóvel apenas para investir e ter lucros?

Se sua resposta for sim, acredito que esse artigo seja feito para você:

O que são Fundos Imobiliários?

Fundos imobiliários são um grupo de pessoas que investem e adquirem parte de um imóvel. Ou seja, em vez de comprar um imóvel inteiro você compra somente parte desse imóvel e ganha com seus rendimentos.

Da mesma forma que em outros fundos de investimento, o principal objetivo é lucrar e fazer o dinheiro render. Por esta razão, estabelecimentos comerciais são os FIIs mais queridinhos.

Vamos supor que você queira investir em um fundo imobiliário de um supermercado. Cada pequena parte do valor daquele patrimônio recebe o nome de cota. Assim, se quer investir, você comprará essas cotas e pronto, parte daquele imóvel agora é seu também.

E existe somente um tipo de FIIs?

Na verdade, há vários tipos a depender da classificação.

Podemos classificá-los quanto ao número de ativos presentes na carteira – monoativo e multiativo, ou ainda, pelo tipo de ativo (fundo de tijolo e fundos de papéis).

Outra característica interessante é que, ao contrário do que muitos pensam, os fundos imobiliários são investimentos de renda variável. Mas por quê?

Simplesmente porque aquelas cotas mencionadas acima são negociadas na bolsa de valores, do mesmo modo que as ações.

Por que investir em Fundos Imobiliários?

Ao se falar em investimentos no Brasil, o mais comum é que os brasileiros procurem investimentos de renda fixa – aqueles que dão maior segurança e estão menos propensos a sofrer com as oscilações do mercado.

Entretanto, tem crescido bastante o número de pessoas dispostas a se arriscar e tentar algo mais audacioso. Se você é um desses, vou lhe contar alguns motivos pelos quais os FIIs são perfeitos para você.

Primeiro, os FIIs são isentos de imposto de renda. Assim, o lucro que você obter na operação irá direto para a sua corretora, sem tributação.

Além de ficarem livres do imposto de renda, os fundos imobiliários geram lucros mensais. Para pessoas que desejam ver retorno de forma mais imediata, os fundos imobiliários são a escolha mais adequada, pois todo mês conseguirá lucrar com seus investimentos.

Um dos diretores da Toro Investimentos, André Barbosa, apontou em uma entrevista, três motivos pelos quais os FIIs se tornaram tão interessantes:

  • Rentabilidade: esses fundos dependem, especialmente, da taxa Selic. Então, quanto mais baixa a taxa desses juros, maior a rentabilidades aos investidores.
  • Diversificação da carteira: grandes investidores investem em diversos tipos de fundos, eles diversificam e levam os lucros a níveis máximos.
  • Democratização: o FII não é mais exclusividade apenas de grandes investidores. É um mercado que tem se expandido e permitido o acesso de mais pessoas.

Riscos de investir em Fundos Imobiliários

Eu não poderia deixar de falar dos riscos que você corre ao investir em FIIs. É nessa hora que muitas pessoas desistem e acabam deixando a página.

Mas você não!

A probabilidade de que algo não saia como o desejado existe e se aplica a absolutamente tudo nesta vida. É você quem decide se vai viver limitado pela possibilidade de errar.

Minha recomendação é que você conheça os riscos, mas não se prenda a eles. E é isto que vou fazer agora, ou seja, expor os riscos a mesa.

No tópico acima apontei que a democratização é um dos grandes atrativos desse tipo de investimento.

Porém, embora esteja sendo democratizado, ainda é um mercado caro, dependendo do fundo que queira investir. Os custos para você, apesar de serem menores do que para comprar um imóvel, ainda serão elevados, seja para comprar a cota ou para mantê-la.

Outro risco que causa grande preocupação diz respeito a ser um fundo de renda variável. Assim, da mesma forma que os rendimentos podem ser elevados acima do esperado, também pode sofrer oscilações negativas.

Há também o risco de ser vítima de inadimplência. Como havia mencionado, boa parte desses fundos imobiliários são de imóveis comerciais, que dependem do pagamento de aluguéis.

Não poderia deixar de fora o chamado risco de vacância. Novamente, esse risco se vincula diretamente a imóveis alugados. Se o locatário deixar o imóvel, você fica exposto à possibilidade de ter dificuldades em alugá-lo novamente.

Diferenças entre investir em Fundos Imobiliários e comprar um imóvel

A primeira diferença, e certamente, a que mais lhe interessará, é quanto ao valor.

Investir em fundos imobiliários é bem mais barato e acessível do que comprar um imóvel.

Claramente, você precisará ter dinheiro, mas bem menos se comparado a comprar uma casa, por exemplo.

O preço médio para se adquirir um imóvel no Brasil está em alta nos últimos anos. Para se ter uma ideia, o preço de um apartamento normal, sem luxo, em São Paulo, está na média dos R$ 474 mil. É quase meio milhão de reais.

Por outro lado, embora haja fundos imobiliários com preços elevados, no mercado atual, se souber procurar, pode encontrar cotas por menos de R$ 200.

Além disto, há uma diferença bem grande quanto aos riscos. Em geral, os fundos imobiliários oferecem menos riscos à pessoa do que comprar um imóvel para investir.

Ao comprar o imóvel, você gastará um valor extremamente elevado, terá preocupações com burocracias, e ainda correrá o risco de que ninguém se interesse pelo seu imóvel, ou ainda pior, acabar cedendo-o por um preço menor do que o desejado.

Ademais, haverá toda uma carga de tributos para você pagar, inclusive o Imposto de Renda – coisa que não ocorre com os fundos imobiliários.

Como investir em Fundos Imobiliários

Já te expliquei o mínimo que precisa saber caso queira investir em FIIs. Minha última missão é apontar como você deve investir.

Farei isso utilizando um passo a passo. É um método fácil e que acredito ser extremamente didático e maleável, não deixando espaço para dúvidas. Então, vamos lá!

  1. Defina o que você pretende alcançar e em quanto tempo quer fazer isto – é o primeiro passo, e, talvez, o mais importante, pois será a bússola para todos os outros;
  2. Selecione uma corretora – há várias corretoras que funcionam exclusivamente pela internet, e você escolherá aquela que acreditar corresponder melhor ao que definiu no passo 1;
  3. Escolha o fundo – escolher o fundo vai depender de alguns fatores, tais como: quanto dinheiro você tem para investir e o que você espera conseguir. Há fundos com preços mais baixos e que geram lucro a médio prazo e tem aqueles que demandam mais tempo;
  4. Envie a ordem de compra à corretora – após ter feito isso, você já será oficialmente um corretor. Mexer nas plataformas das corretoras não é um bicho de sete cabeças, mas se tiver qualquer dúvida, geralmente, elas preparam guias e/ou tutoriais para facilitar nosso entendimento.

Espero que tenha aprendido um pouco mais sobre FIIs. Quem sabe você não será o próximo a ter sua vida transformada pelo universo dos investimentos.

Leia também